RSS

Por um mundo melhor

04 Jul

Mundo-unido

Você acredita que o mundo pode ficar melhor?

Pois um jovem escreveu um texto, dirigindo-se a um ditador que cometeu muitos desatinos em nome do poder, e que estava nas mãos da justiça para julgamento.

O texto diz mais ou menos o seguinte:

“Desejo-lhe, sinceramente, um julgamento justo, de acordo com o direito e, na medida do possível, uma cela limpa, cômoda e digna.

Tomara que ninguém bata no senhor, que ninguém o submeta a humilhações.

Que não confisquem sua casa, nem seu carro, nem destruam sua biblioteca.
Que não tapem seus olhos nem o atirem no chão para dar-lhe chutes e coronhadas.

Que não o pendurem pelos polegares, nem lhe administrem descargas elétricas.

Que não o mutilem nem o afoguem em água suja, nem tentem asfixiá-lo metendo sua cabeça num saco plástico.

Que não o ceguem e não quebrem os ossos de suas mãos.
Que não sequestrem seus irmãos, nem façam maldades com suas filhas.

Quero dizer, senhor, oxalá não façam nada do que seus subordinados fizeram, sob suas ordens e responsabilidade, a milhares de cidadãs e cidadãos de vários países do mundo.

Desejo que organizem um julgamento justo e que preparem uma cela limpa e cômoda, onde possa passar seus últimos dias sem frio nem fome.

Não é nada pessoal. É que, se a gente conseguir isso, a Humanidade terá dado um grande passo para o reencontro consigo mesma e, por conseguinte, para a construção de um mundo melhor.”

*   *   *

Nas palavras desse jovem, podemos encontrar a fórmula para a conquista de um mundo novo, sem violência nem desrespeito aos direitos do cidadão.

Muito se fala em acabar com a violência, mas muita violência se emprega nessa tentativa.

Quando a Humanidade compreender que é preciso mostrar a outra face, então estaremos a um passo da paz.

A face oposta da violência é a não-violência, e a do desrespeito é o respeito.

Enquanto os métodos para combater a crueldade forem cruéis, não se logrará êxito algum.

Enquanto se tentar apagar incêndios com álcool ou gasolina, as chamas continuarão destruindo.

Mas, no momento em que forem usados produtos que realmente ponham fim às labaredas, teremos a solução do problema, e não o seu agravamento.

Assim, o jovem tem toda razão ao desejar um tratamento oposto ao que foi oferecido por aquele líder arbitrário e equivocado.

Se, ao contrário, lhe fosse oferecida a violência como punição, seus juízes seriam como ele, e o círculo da crueldade jamais se romperia.

Quando todos nós pensarmos como aquele jovem, a Humanidade poderá fechar, definitivamente, a página que encerra um capítulo da sua história, da qual a violência fazia parte.

*   *   *

Jesus Cristo foi o grande Mestre da não-violência e do perdão.
Quando o soldado, aproveitando-se do fato de ele estar com as mãos amarradas, o esbofeteia, o Mestre lhe pergunta com toda serenidade:

Se errei, aponta meu erro. Mas, se não errei, por que me bates?

Esse, sem dúvida, foi um ensinamento significativo sobre a maneira de pôr um ponto final na violência.

Verdadeiramente sábio, é aquele que não revida.

É aquele que oferece a face oposta da ira, da prepotência, da arbitrariedade.

E essa face só pode ser a da indulgência.

Pensemos nisso!

Redação do Momento Espírita, com base em mensagem escrita
pelo jovem Pedro Miguel, dirigida a um ditador chileno.
Em 02.03.2009.

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em 04/07/2013 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , ,

2 responses to “Por um mundo melhor

  1. Claudio Viana Silveira

    05/07/2013 at 20:54

    “Muito se fala em acabar com a violência, mas muita violência se emprega nessa tentativa…” Para se reflexionar: Por que não começo eu?! Importante colaboração, Silvia. Muito obrigado, Claudio.

     
  2. Fernanda Geri

    07/07/2013 at 20:34

    Lia agora a pouco uma página do livro ‘Quem perdoa liberta’ que falava de uma virtude que muito nos falta: a Misericórdia. Enquanto pensarmos em justiça com as próprias mãos, em pena de morte, e nos inflamarmos tomados pela cólera muito longe estaremos de um mundo melhor… Mas começarmos hoje evitando o revide das pequenas picuinhas domésticas, das provocações e exasperações no trânsito, se buscarmos o diálogo e procurarmos nos colocar no lugar do outro, estremos dando largos passos. Obrigada pela mensagem Silvia!

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: