RSS

Arquivo de etiquetas: luz

Telha de vidro

telha de vidro

Nem sempre a vida segue o curso que se deseja, que se espera. Assim foi com Rachel.

Depois da morte de seus pais, ela, ainda bem moça, deixou a cidade em que nascera para morar na fazenda, com os tios que mal conhecia.

Moraria na casa que havia sido construída por seu bisavô, há muito tempo.

Era uma casa muito antiga e a maior parte dos móveis eram peças pesadas e escuras que ali estavam há mais tempo do que as pessoas saberiam dizer.

Seus tios eram pessoas simples, acostumados com a vida que sempre viveram, desconfiados com tudo que pudesse alterar a rotina que lhes dava segurança.

A chegada de Rachel representou para eles um certo transtorno.

Onde ficaria instalada a sobrinha?

Como não havia um cômodo mais apropriado, deram-lhe um quarto pequeno, que ficava no sótão.

Nem o tamanho reduzido, nem o cheiro de mofo incomodaram Rachel.

O que a entristecia, naquele quartinho abafado, era apenas o fato de não ter janelas.

Não se podia ver o sol, nem o céu, nem as árvores do quintal ou as flores do jardim.

A luz limitava-se a entrar timidamente pela porta. A falta de claridade parecia encher ainda mais de tristeza o coração dolorido da moça.

Até que um dia, depois de muito ter chorado em silêncio, decidida a voltar a sorrir, ela pediu que lhe trouxessem da cidade uma telha de vidro.

Um pouco desconfiados, seus tios acabaram cedendo. Daí, um milagre aconteceu.

Mesmo sem janelas o quarto de Rachel, antes tão sombrio, passou a ser a peça mais alegre da fazenda.

Tão claro que, ao meio-dia, aparecia uma renda de arabesco de sol nos ladrilhos vermelhos que, só a partir de então, conheceram a luz do dia.

A lua branda e fria também se mostrava, às vezes, pelo clarão da telha milagrosa. E algumas estrelas audaciosas arriscaram surgir no espelho onde a moça se penteava.

O quartinho que era feio e sem vida, fazendo os dias de Rachel cinzentos, frios, sem luar e sem clarão, agora estava diferente.

Passou a ser cheio de claridade, luzes e brilho. Rachel voltou a sorrir.

Toda essa mudança só porque um dia ela, insatisfeita com a própria tristeza, decidiu colocar uma telha de vidro no telhado daquela casa antiga, trazendo para dentro da sua vida a luz e a alegria que faltavam.

***************************

Muitas vezes, presos a hábitos antigos e em situações consolidadas, deixamos de lado verdades que nos fazem felizes.

Deixamos que a ausência de janelas em nossa vida escureça nossas perspectivas, enchendo de sombras o nosso sorriso e o nosso cotidiano.

Vamos nos acomodando, aceitando estruturas que sempre foram assim e que ninguém pensou em alterar, ou que não se atreveu a tanto.

Mudanças e reformas são necessárias e sadias.

Nem todas dão certo ou surtem o efeito que desejaríamos, porém, cabe-nos avaliar a realidade em que nos encontramos e traçar metas para buscar as melhorias pretendidas.

Não podemos esquecer, porém, que em busca de nossos sonhos de felicidade não devemos simplesmente passar por cima do direito dos outros.

Nesse particular, cabe-nos lembrar a orientação sempre segura de Jesus de que devemos fazer aos outros aquilo que gostaríamos que nos fizessem.

Redação do Momento Espírita, com base no
Poema  Telha de vidro, de Rachel de Queiroz

 
2 Comentários

Publicado por em 25/03/2016 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , ,

Apego ou Desapego

desapego

Desapego… que exercício difícil para nós ainda presos ao ego humano… o apego é uma das maiores ilusões da vida terrena… apegar-se a que? A quem? Apegar-se para que? Se tudo é transitório, se tudo é passageiro…

O apego é uma das fontes de maior sofrimento… quanta dor, quantas lágrimas…

O apego é o mesmo que querermos segurar o vento, o ar… somente com o desapego é que podemos ter… ter o que é da alma… porque nós não temos… nós simplesmente somos… somos o que somos.

O sofrimento do apego se inicia aqui, quando acreditamos ter posse sobre as coisas materiais; a nossa terra, a nossa casa, as nossas roupas, a nossa beleza, o nosso carro, o nosso cargo, a nossa posição social, o nosso talão 5 estrelas, o nosso cartão de crédito internacional, a nossa empresa e assim por diante…

Claro que a prosperidade é um direito do ser, é bom estarmos em sintonia com a energia da abundância cósmica, mas não podemos confundir com posse… alguns tem um forte sentimento de apego dentro de um Fusca 64 e outros passarão totalmente desapegados dentro de uma Mercedes 2014… nós aprendemos na Luz e na sombra…

Temos que perder para darmos valor ao ganhar, temos que passar pela escassez para aprendermos a buscar a abundância; e a vida é uma grande roda, que gira e gira e nós vamos vivenciando todos os desafios, todas as situações para adquirirmos sabedorias… tudo é cíclico… tudo é empréstimo temporário para o nosso aprendizado.

Quanto sofrimento é gerado à alma no momento do seu desencarne, quando, presa aos apegos terrenos… não alcança a Luz porque está olhando as sombras; não atinge um nível maior de consciência porque está presa à inconsciência dos apegos terrenos…

Devemos sim viver os prazeres da terra, com o desapego da alma… vivendo aquilo que a vida está nos proporcionando sem a prisão do medo da perda…

E o que dizermos do apego emocional? Ah… é mais e muito mais dolorido!

Criamos inúmeras vezes na nossa mente, no nosso corpo emocional, a ilusão de que o outro nos pertence, que nós temos posse sobre o outro e também vendemos a ilusão que o outro tem posse sobre nós… e neste jogo emocional vivemos anos, vidas inteiras e criamos laços cármicos profundos… e o mais irônico, para não dizer o mais triste, é que nos atrevemos, presos a esta visão distorcida, a chamar isto de amor!

Mas temos que compreender que para atingirmos o Desapego e o Amor Maior, temos que vivenciar o apego e o amor terreno. São os nossos primeiros passos para alcançarmos a sabedoria…

Nós confundimos apego profundo com desapego e não conseguimos realmente enxergar nossa confusão e a vida faz a parte dela, ou seja, gera o desapego para percebermos o quanto estávamos apegados.

Desapego? Amor incondicional? Baixa auto estima? Sim, pode até ser amor mas o amor incondicional é desapego e desapego é amor incondicional… é querer a felicidade e o bem estar do outro e de si mesmo.

Mas para amarmos o outro temos também que nos amar e nos respeitar. Será que não é um apego tão forte, tão enraizado, que não permitimos que o outro seja feliz e num grande auto boicote, optamos em sermos infelizes para não nos desapegarmos do outro e não permitirmos que o outro se desapegue de nós?

O que aparenta desapego é um profundo apego; tão forte que preferimos renunciar à própria felicidade do que renunciarmos ao outro. Desapego nos liberta. Apego nos aprisiona.

Exercitemos o desapego das coisas materiais, das ilusões emocionais, dos rancores, das mágoas, de tudo aquilo que nos aprisiona. Libertemo-nos! Sejamos livres no Desapego!

Fonte: http://www.harmoniaespiritual.com.br/

 
2 Comentários

Publicado por em 02/05/2014 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , ,

Momentos difíceis… Grandes oportunidades!

momentos dificeis

Há muitos momentos em nossas vidas em que somos convidados a refletir sobre o verdadeiro sentido de nossa existência.

Principalmente quando sofremos pela dor de alguma doença grave ou quando somos visitados pela dor de assistir aos nossos entes queridos em luta com suas enfermidades físicas, muitas e muitas vezes com quase nenhuma esperança de cura.

Estes são momentos difíceis em que mesmo envolvidos com nossas atribuições rotineiras, passamos a meditar sobre o que realmente vale a pena nesta vida.

Recordamos os vários momentos em que deixamos o orgulho e a vaidade, através da raiva, dirigirem nossos pensamentos, palavras e ações.

E diante da constatação da fragilidade de nossos envoltórios físicos, pensamos na inutilidade de tanto orgulho e tanta raiva já que, mais dia menos dia todos nós enfrentaremos estes momentos dolorosos.

Pensamos que entre o nascimento e a morte inevitável, seria melhor viver e conviver em paz e harmonia e que talvez fosse melhor escolher ser feliz do que ter razão sempre.

Talvez fosse melhor pedir desculpas por uma atitude ou palavra mais agressiva de nossa parte, mesmo que entendamos estar certos em nossa opinião.

Até por que nossos gestos agressivos e palavras ásperas não nos farão detentores da razão, se não a tivermos.

Nossa maior angústia nessas horas é sentir que não depende de nós a solução e melhoria da situação e diante da possibilidade da extinção da vida física, prometemos a nós mesmos modificar nossa maneira de agir em todos os aspectos de nossa existência.

Seja qual for o desfecho deste momento, aqui ou no outro plano, o tempo vai passar e nosso estágio evolutivo nos impedirá de aproveitar essa grande oportunidade e aprender de fato o ensinamento.

E o orgulho e a vaidade ainda muito presentes em nós, farão com que esqueçamos estas reflexões, e mergulhemos novamente na busca da felicidade através da satisfação dos prazeres materiais e transitórios.

Então, como vivemos em uma grande escola, repetiremos a matéria, tantas e quantas vezes forem necessárias, até aprendermos que; o que realmente vale a pena é o Amor.

Amor, que se vivido mesmo ainda de forma tímida e insegura, nos conduzirá ao nosso destino glorioso, sem tanto sofrimento, fazendo brilhar a nossa luz e trazendo paz, saúde e harmonia para nossas vidas.

Sivia Gomes

 
2 Comentários

Publicado por em 12/12/2012 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Luz do bem querer

A vida não está fácil, sobretudo nos dias atuais em que a demasiada valorização da matéria, nos empurra para um tempo de perturbação, inquietação e violência, não somente física como emocional.

Violência contra as nossas crianças, nossos idosos, contra os animais, em fim contra nós mesmos.

Infelizmente esta valorização exagerada do ter em detrimento do ser, é a mola que impulsiona os meios de comunicação que se utilizam da perturbação atual da humanidade para contabilizar lucros.

Assim, cria-se um círculo vicioso, onde mergulhamos, nos tornando profundamente inseguros e desconfiados de tudo e de todos.

No entanto, basta parar apenas alguns minutos, desacelerar a mente e o coração, sentarmos na grama de alguma praça no meio de qualquer centro urbano… e olhando para cima, observar os passarinhos calmamente construindo seus ninhos nas árvores, sem nem se importar com o caos do trânsito, muito menos com a nossa pressa.

Olhando para o chão, poderemos ver a formiga serenamente carregando folhas para o formigueiro, cumprindo a sua missão sem se importar com aqueles que caminham apressados sem olhar para baixo.

E olhando para o lado, certamente veremos um irmão sem teto, sem nada, se acomodando em um banco, protegendo seus filhos e lutando pela sobrevivência de sua família com um sorriso no rosto, transparecendo a gratidão a Deus por estar vivo, confiando que amanhã será outro dia e Deus os abençoará com o necessário para seguirem sua jornada.

Agora, neste mesmo instante há muitas pessoas vivendo calmamente suas vidas confiantes num futuro melhor que estão plantando hoje, através do amor, da gratidão, da gentileza da generosidade…

Pessoas que apesar de tudo, escolheram viver com o coração e alma abertos e deixaram o sol entrar.

Gente que sofre e tem dificuldades, passa fome, mas que quando tem divide com os companheiros do caminho. Que mesmo em meio a tanta miséria não nega amor nem amizade, iluminando o mundo ao seu redor com a luz do bem querer.

E nós que temos tudo a nosso alcance, vivemos em conflito, desconfiados, agitados, correndo, negando, rejeitando e perdendo o bom da vida, fechados em nós mesmos.

Que possamos dedicar um pouco de nosso tão precioso tempo, para prestar atenção na beleza da vida, na perfeição da natureza, apreciando as flores do caminho.

Para aproveitar o prazer e a alegria de estar junto, valorizando tudo o que todos temos de bom, deixando a luz do bem querer entrar em nossos corações e certamente estaremos experimentando já aqui na Terra um pedacinho do Céu.

Silvia Gomes

 

 
3 Comentários

Publicado por em 08/11/2012 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Espiritismo

Espiritismo é uma luz
Gloriosa, divina e forte,
Que clareia toda a vida
E ilumina alem da morte.
 
É árvore verde e farta
Nos caminhos da esperança,
Toda aberta em flor e fruto
De verdade e de bonança.
 
É uma fonte generosa
De compreensão compassiva,
Derramando em toda parte
O conforto d`Água Viva.
 
É a claridade bendita
Do bem que aniquila o mal,
O chamamento sublime
Da vida espiritual.
 
É o templo da Caridade
Em que a Virtude oficia,
E onde a benção da Bondade
É flor de eterna alegria.
 
Se buscas o Espiritismo,
Norteia-te em sua luz:
Espiritismo é uma escola,
E o Mestre Amado é Jesus.
 
CHICO XAVIER
 
1 Comentário

Publicado por em 22/08/2012 em Poesia

 

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Deus conta contigo

 
Ouço-te ,às vezes, coração amigo,
Em torno ao bem, numa questão qualquer:
– “Farei…Conseguirei…Conta comigo…
Se Deus quiser, se Deus quiser…”
 
Mas não te alteres, a pretexto disso.
De segundo a segundo, estrada a estrada,
A Vontade de Deus é revelada
Em bondade e serviço.
 
Fita os quadros da Gleba , campo afora;
Tudo o que existe, vibra, luta e sente,
Serve constantemente,
Dia-a-dia, hora a hora!…
 
De alvorada a alvorada, o sol fecundo,
Sem aguardar requerimento,
Garante sem cessar o equilíbrio do mundo
De seu carro de luz no firmamento.
 
A fonte, a deslizar singela e boa,
Passa fazendo o bem,
Dessedenta, consola, alivia, abençoa
Sem perguntar a quem…
 
Sem recorrer a humanos estatutos,
Nem a filosofias enganosas,
A laranjeira estende os próprios frutos,
A roseira dá rosas.
 
O lírio não se ofende, nem reclama:
Sobre a terra onde alguém lhe deitou a raiz,
Seja em vaso de estufa ou num trato de lama,
Desabrocha feliz.
 
Assim no mundo, coração amigo,
Faze o bem onde for, seja a quem for;
Em toda parte , Deus está contigo
Na tarefa do amor.
 
Maria Dolores
do Livro Poetas Redivivos
Francisco C.Xavier
pgs 150 e 151
 
1 Comentário

Publicado por em 01/08/2012 em Poesia

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Viver com alegria

 
 
Sauda o dia nascente com alegria de viver aureolada pela gratidão a Deus.
Cada novo dia é abençoada oportunidade de crescimento espiritual e de iluminação interior.
Atravessar o rio dos problemas de uma para a outra margem, onde se encontram as formosas atividades de engrandecimento moral, é a tarefa inteligente da pessoa que anela pela conquista da felicidade.
Quando se abre a mente e o coração à alegria, é possível descobri-Ia em toda parte, bastando olhar-se para a Vida, e ei-la jubilosa…
Quando se adquire a consciência da responsabilidade, de imediato sente-se que se é livre, mas essa liberdade é sempre conquistada pela ação que se converte em bênção de amor.
Somente através do amor perfeito é que o ser humano pode considerar-se realmente livre de todas as amarras, mesmo que essa aquisição seja lograda, de alguma forma, através do sofrimento.
O sofrimento faz mal, no entanto, não é um mal, porque oferece os recursos valiosos para a aquisição do bem permanente.
Eis porque o trabalho de qualquer natureza deve ser realizado com o sentimento de amor, o que equivale a uma postura de liberdade em ação.
Quando o amor não está presente no sentimento, a alegria não se enfloresce, porque permanece sombreada pelas dúvidas e suspeitas, porquanto somente através do amor é que se adquire a perfeição, em face dos mecanismos de ação que movimenta.
Pessoas existem que afirmam não poderem amar porque não compreendem o seu próximo, tendo dificuldade em aceitá-lo conforme é. A questão, no entanto, é mais sutil, e deve ser formulada nos seguintes termos: porque não ama, torna-se difícil compreender, em razão dos caprichos egoísticos que dificultam a bondade em relação aos outros.
Quando o amor se instala, a alegria de viver esplende como resultado da própria alegria de ser consciente.
A alegria não é encontrada em mercados ou farmácias, mas nos recônditos do coração que sente e ama, favorecendo-lhe o surgimento como um contínuo amanhecer.
Basta que se lhe ausculte a intimidade, e ei-la triunfante sobre a noite das preocupações.
Em realidade, viver com alegria não impede a presença dos sofrimentos que fazem parte do processo da evolução. Pelo contrário, é exatamente por serem compreendidos como indispensáveis que proporcionam satisfações e bem-estar.
Sempre que possível expressa a tua alegria de viver.
Os sentimentos cultivados transformam-se em estímulos para as ações que se materializarão mais tarde.
Se permitires que a tristeza torne-se companheira frequente das tuas emoções, a melancolia em breve estará instalada nos teus sentimentos, tirando a beleza da existência.
Se te apoias à queixa contumaz, a tua será uma conduta amargurada, fazendo-te indisposto e desagradável.
Se optas pelo cultivo de ideais enobrecedores de qualquer natureza, o entusiasmo pela sua preservação fará dos teus dias um contínuo encantamento.
Se tens o hábito de encontrar sempre o melhor, quase invisível ou imperceptível, nos acontecimentos menos felizes, desfrutarás de esperança e de júbilos permanentes.
A existência física não é uma viagem miraculosa ao país da fantasia, mas uma experiência de evolução assinalada por processos de refazimento uns e outros de conquistas inevitáveis, que geram sofrimento porque têm a finalidade de desbastar os duros metais da ignorância e aquecer o inverno do primarismo…
É natural, pois, que a dor seja companheira do viajante carnal.
Quando jovem, tudo são expectativas, ansiedades, incertezas…
Quando na idade madura, a colheita de reflexos da juventude propicia, quase sempre, insatisfações e desencantos.
Quando na velhice, em face do desgaste, o aborrecimento pela perda da agilidade, da memória, da audição, da visão, da facilidade que era habitual, se manifesta…
Sempre haverá motivo para reclamação, porque cada dia tem a sua própria quota de aflição, que deve ser aceita com bonomia e naturalidade.
Com a alegria de viver instalada no imo, sempre haverá uma forma de encarar os acontecimentos, concedendo-lhe validade e dele retirando a melhor parte, como afirmou Jesus, aquela que não lhe será tirada, porque representa conquista inalienável para a mente e para o coração.
Adapta-te, desse modo, às ocorrências existenciais, alegrando-te por estares no corpo, fruindo a oportunidade de corrigir equívocos, de realizar novos tentames, de manter convivências saudáveis, de enriquecimento incessante…
A vida com alegria é, em si mesma, um hino de louvor a Deus.
Não te permitas, portanto, a convivência emocional com as manifestações negativas do caminho por onde transitas.
Observa as margens do teu caminho e rega-as, mesmo que seja com suor e lágrimas, a fim de que as sementes do Divino Amor que se encontram nelas sepultadas, germinem e transformem-se nas flores que adornarão a tua marcha ascensional.
Liberta-te, mesmo que te seja exigido um grande esforço, das heranças primárias, filhas da agressividade, do inconformismo, dos impositivos egoístas que te elegem como especial no mundo, e considera que fazes parte da grande família terrestre, sujeito como todos os demais às injunções dos mecanismos da evolução.
Alguém que cultiva a alegria de viver já possui um tesouro. Esparze-o onde te encontres e oferta-o a quem se te acerque, tornando mais belo o dia a dia de todos os seres com o sol do teu júbilo.
Se já encontraste Jesus, melhor razão tens para a alegria, porque envolto na Luz do mundo, nenhuma sombra te ameaça.
Serás, ao longo da vilegiatura carnal, o que te faças a cada instante, conforme o és, resultado do que te fizeste.
Alegra-te com a vida que desfrutas e agradece sempre a Deus a glória de saber e de amar para agir com acerto.
 
 
Joanna de Ângelis
Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, na manhã
de 29 de maio de 2009, no G-19, em Zurique, Suíça.
Em 09.10.2009.
 
2 Comentários

Publicado por em 09/03/2012 em Espiritualidade

 

Etiquetas: , , , , , , ,