RSS

Arquivo de etiquetas: história

Reeditando o amor

reeditando

Quando Kate e Chris ficaram muito idosos e necessitaram de cuidados especiais, foram recolhidos a um asilo onde Jane era enfermeira.

Muitas vezes, os dois eram vistos olhando os álbuns de fotografias. Kate mostrava, com orgulho, retratos antigos em que Chris aparecia alto, louro e alinhado. E ela, aparecia morena, sorridente e muito bonita.

Era lindo vê-los juntos. Dois namorados lembrando alegremente a sua história. Passeavam de mãos dadas pelos corredores do asilo e todas as enfermeiras comentavam o que seria de qualquer um deles, quando o outro se fosse.

Chris tinha especial carinho com Kate. À hora de dormir, Chris a ajudava passar da cadeira para a cama e ajeitava as cobertas ao redor do corpo frágil.

Depois, ele desligava a luz, se curvava docemente e a beijava, acariciando seu rosto.  Levantava a grade lateral da cama. Os dois sorriam.

Em seguida, ele se dirigia para sua cama, no outro extremo do quarto. Eram as regras do asilo.

Quanto apreciariam dormirem na mesma cama, juntos. Um costume que os confortara a vida toda.

Um dia, Chris não despertou. Um ataque cardíaco, em plena noite, o transferiu para a outra vida.

Toda a enfermagem redobrou cuidados com Kate. Ela parecia confusa e perdida. Ficava longo tempo com o olhar parado, a fitar o nada.

De outras, tomava os álbuns de fotografias e ficava acariciando as fotos de Chris.

A pior parte do dia era a hora de dormir. Kate pedira para dormir na cama do marido. Entretanto, tinha dificuldades para conciliar o sono.

Certa noite, Jane teve uma ideia. Depois de a ter colocado na cama, ajeitado as cobertas, levantado a grade lateral, acariciou seu rosto e debruçando-se, a beijou, dizendo: Boa noite, querida.

Foi como se uma comporta se abrisse. Lágrimas caíram pelo rosto de Kate.

Chris sempre me dava um beijo de boa noite. Sinto tanta falta dele. Tanta falta do beijo que ele me dava na hora de dormir.

E, enquanto a enfermeira lhe enxugava as lágrimas, Kate continuou:

Sem o beijo dele parece que eu não estou indo dormir. Muito obrigada por me dar um beijo.

Sabe, continuou, Chris costumava cantar para mim. Eu deito aqui à noite e penso nisso. Na canção que ele cantava aos meus ouvidos.

E como era? – Perguntou Jane.

Kate sorriu, segurou a mão da enfermeira, limpou a garganta. E, com sua voz pequena, mas ainda melodiosa, cantou: Me beije, meu amor, e então nos separaremos. E quando eu estiver muito velha para sonhar, este beijo estará bem vivo no meu coração.

*   *   *  *  *  *  *

Os anos podem vincar a face, desenhando sulcos. Os anos podem tornar os cabelos grisalhos e transformar moças ligeiras em senhoras que demoram um pouco mais para trocar o passo.

Os anos podem transformar um jovem robusto em um velho sábio. Mas o que melhor fazem os anos é tornar o amor maduro, duradouro, profundo.

Por isso, se você tiver avós por perto, seus ou de outros, não esqueça de lhes atender as necessidades primordiais do coração.

Especialmente, se estão sós, porque o companheiro ou companheira já realizou a sua maior e grande viagem para o Além.

Pense que mais do que alimento, remédio, agasalho e teto, eles precisam de amor. Um gesto de ternura que reproduza os tantos que os alimentaram um ao outro, durante o longo percurso das suas tão proveitosas vidas.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. Um beijo de boa-noite,
de autoria de Phyllis Volkens, do livro
Histórias para aquecer o coração

das mulheres, de Jack Canfield, Mark Victor Hansen, Jennifer Read
Hawthorne e Marci Shimoff, ed. Sextante.
Em 1.12.2014.

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 04/12/2014 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , ,

Depois de cada filme

depois do filmeUma sala de cinema, depois de cada filme, pode nos trazer reflexões interessantes.

O comportamento das pessoas apresenta algo de curioso.
 
Os créditos começam a surgir na tela e as luzes voltam a acender lentamente, avisando a todos que aquele sonho projetado no grande painel branco terminou.
 
Cada um que está ali, então, volta ao seu mundo, à sua dita realidade.
 
Saem apressados, atrasados, levados pela correnteza humana, quase que na velocidade da luz – da luz que volta a clarear a sala de projeção.
 
Porém existem alguns, apenas alguns, que permanecem um pouco mais.
 
Sentados, imóveis, de olhar distante, parecem ainda respirar naquele mundo criado à sua frente há poucos minutos.
 
Como se quisessem suavizar a transição entre uma realidade e outra.
 
Ficam ali, como se desejassem reter tudo aquilo um pouco mais… apenas um pouco mais.
 
Não querem permitir que a vida lá fora perca a lembrança do que acabaram de ver.
 
Esses podem ter suas vidas modificadas… com um simples filme. O que esta história diz à minha vida?
 
Que características neste ou naquele personagem, tem a ver comigo, com meus sonhos, com minhas dificuldades?
 
O que posso aprender com estas vidas, com este mundo, por vezes tão diferente do meu?
 
São tantos os questionamentos que eles podem estar fazendo naquele momento…
 
Indagações que aqueles que saíram desassossegados em disparada, possivelmente não terão.
 
Para esses foi apenas entretenimento. Não conseguiram penetrar na esfera da arte, da beleza.
 
Sábios. Esses que permanecem agem com sabedoria. Buscam aprender tudo que a vida tem a lhes oferecer, e ela, por ser tão maravilhosa e perfeita, oferece lições a todo instante.
 
Mas que diferença pode fazer, ficar ali um pouco mais, pensando? – Alguém poderia questionar.
 
A diferença está na importância de parar para analisar todos os eventos de nossos dias.
 
No hábito da reflexão, extraindo dos acontecimentos sempre um saber a mais.
 
Será que estamos sabendo parar um pouco para pensar em cada evento de nosso viver?
 
Será que na maioria das vezes não agimos como os espectadores apressados, que não têm tempo para refletir?
 
Será que não estamos saindo muito cedo de nossas salas de projeção diárias?
 
Imagine ficar um pouco mais na cadeira, pensando naquele entardecer passado ao lado de alguém que você ama…
 
Imagine ficar um pouco mais na cadeira, curtindo aquele nascer de sol especial de uma manhã de trabalho…
 
Imagine ficar um pouco mais, acompanhando as peripécias de seu filho, aprendendo a andar, a falar, a abraçar…
 
Imagine permanecer, por alguns segundos que seja, lembrando das palavras de afeto, das risadas, trocadas com algum amigo numa noite qualquer…
 
Imagine a vida sem a pressa que lhe atribuímos, e com a qual acabamos por nos acostumar…
 
Experimente lembrar disso tudo na próxima vez que você estiver numa sala de cinema.
 
Procure as pessoas que ficam um pouco mais, e quem sabe, com alegria verá que você é uma delas.
 
Bem, na verdade você poderá começar a pensar sobre isso agora mesmo, depois que estas palavras chegarem ao fim, e escolher o tipo de pessoa que é:
 
aquela que sairá apressada, mudará de estação, esquecerá de tudo; ou aquela que irá ficar com estes dizeres um pouco mais, pensando, refletindo.
 
 
Redação do Momento Espírita com base no capítulo Depois de cada filme, do livro  “O que as águas não refletem”, de Andrey Cechelero.
Em 2.8.2013.
 
2 Comentários

Publicado por em 08/08/2013 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , , , ,

Será que o amor acaba?

Muito falamos de amor em todos os tempos. Em todas as épocas da história da humanidade elaboramos conceitos e definições para esse sentimento.

Nossa origem Divina nos impulsiona a buscá-lo, mesmo que tentemos por todos os meios racionalizar sua existência.

Ainda presos ao imediatismo e aos apelos da matéria procuramos incessantemente uma definição para algo que precisamos apenas sentir, deixar que integre todo o nosso ser.

Chamamos de amor o ato sexual sem afeto, a ideia de ter sempre em baixo de nossos olhos e seguindo a nossa cartilha, os familiares e amigos.  

Tomamos por amor o sentimento de posse que temos em relação aos bens materiais como dinheiro, casa, carro, fama, sucesso e tudo o mais que imaginamos ser nosso.

Tentamos de qualquer maneira defini-lo, explicá-lo entre as coisas terrenas que podemos tocar que acabamos por convencionar que tudo tem um fim, literalmente tudo, inclusive o amor.

Assim dizemos: “O amor acaba quando descobrimos que só nós amamos…” “A amizade acaba se constatarmos que somente nós somos amigos…”.

Ecoam em nossas bocas e mentes aquelas velhas e surradas receitas de como, quando e a quem amar para ser feliz… “só ame quem te ama”… “Não perca tempo com quem não gosta de você”… “Delete!”… “Vire a página”…etc.

Felizmente o amor não é uma ciência, muito menos exata. Não é uma receita gastronômica em que podemos colocar as doses certas de cada ingrediente e tudo ficar como queremos.

Não há como explicar ou definir, porque embora a universalidade seja seu objetivo sagrado, se mostra de forma única em cada ser.

O amor é um sentimento e como tal acontece… tem a ver com energias, vibrações…afinidades. E não… o amor não acaba!

Quando verdadeiro é para sempre, liberta… Dá asas para alcançarmos as estrelas e ver a vida de uma forma mais ampla… Entender que cada um tem seu tempo de despertar… e vamos todos acordar.

Tudo suporta e espera…compreende, abençoa, ilumina.

Jamais deixamos de amar aqueles por quem nossas almas e nossos corações pulsam, mesmo que por hora não seja recíproco.

Se acabar é porque ainda não é Amor.

Silvia Gomes

 

 
3 Comentários

Publicado por em 19/11/2012 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Tempo, questão de escolha!

 
Quanto tempo você dispensa a seu filho, em um dia?
 
Quanto tempo você dedica para uma leitura edificante, que lhe traga elevados objetivos e lhe retempere o ânimo?
 
Quanto tempo você dedica à oração?
 
Será você um daqueles que afirma não ter tempo para nada e leva a vida de roldão? Uma verdadeira roda viva, um turbilhão?
 
 
Tempo é uma questão de escolha. Equacionar as horas de forma a tudo resolver, sem desequilíbrio, esquecimentos e correrias, é questão de administração.
 
Existem criaturas que surpreendem pelo tanto que realizam nas mesmas vinte e quatro horas em que nada fazemos além de reclamar da falta de tempo.
 
Um consagrado escritor, James Michener, que morreu em outubro de 1997, era uma dessas pessoas que sabia exatamente como lidar com o tempo.
 
Foi professor, revisor de livros, alistou-se na Marinha durante a Segunda Guerra Mundial, teve histórias suas adaptadas para musicais na Broadway.
 
Certa vez, uma garotinha de oito anos, acompanhada de seu pai, o visitou em sua residência. Levou-lhe um livro que continha uma história que ela mesma escrevera.
 
O homem ocupado com tantas coisas dispôs de tempo para se sentar no sofá junto à pequena, abrir a primeira página e ler em voz alta: Focas, por Hana Grobel.
 
Enquanto prosseguia a leitura, o telefone tocou. Ele atendeu e ao interlocutor explicou: Estou lendo os originais de uma jovem escritora. Pediu licença e atendeu a ligação em outra sala.
 
Depois, tornou a sentar-se ao lado de Hana e prosseguiu a leitura.
Esse homem inacreditável fora uma criança rejeitada. Jamais soube quem foram seus pais.
 
Foi recolhido por uma viúva e por ela criado e amado. Jamais descobriu o local e a data do seu nascimento.
Passou toda sua vida ajudando discretamente a quem desejasse estudar, reconhecendo que sua instrução foi o que de mais precioso sua mãe adotiva lhe dera.
 
Dispunha de tempo para tudo e para todos. Até mesmo para uma criança que escrevera uma história minúscula em um pequeno livro.
 
A história é muito boa, foi seu comentário, porque no final todos ficam felizes.
Incentivar as gerações futuras era uma missão que considerava importante e a que se dedicava.
 
Atender a uma criança de oito anos que buscava estímulo, a um estudante de engenharia que lhe vinha agradecer a bolsa de estudos, atender a ligações de instituições de ensino que lhe solicitavam recursos, fazia parte do seu cotidiano.
 
Dez dias antes de sua morte, com os rins falhando, teve tempo para oferecer a uma jovem a oportunidade de estudar na Universidade do Texas, oferecendo-se para lhe custear a primeira anuidade escolar.
 
Mesmo lhe restando poucos dias, o seu tempo era para fazer o Bem.
 
Valorizemos o tempo, usando-o com propriedade. Não menosprezemos o tesouro dos minutos porque a eternidade é feita de segundos.
 
Utilizemos os valores do tempo e conquistemos méritos, não nos permitindo a sua desvalorização em atitude morna e inútil.
 
O tempo nos é dado pela Divindade para a realização da grande tarefa de transformação de nós mesmos, na jornada da perfeição.
 
 
Redação do Momento Espírita, com base em artigo publicado
na Revista Seleções Reader’s Digest de outubro/1998 e no verbete Tempo, do livro Repositório de
sabedoria, v.2, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Disponível no livro Momento Espírita, v. 1, ed. Fep.
Em 17.08.2009.
 
1 Comentário

Publicado por em 29/09/2012 em Reflexão

 

Etiquetas: , , , , , , , , , ,